segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Que beleza !


As vezes não é uma questão estética. O jeito que é mais bonito para a maioria talvez não importe em alguns momentos, ou pelo menos não deveria, pois os conceitos são inventados, os padrões, os modelos. E eles mudam, posso dizer que mudamos também, mas podemos não mudar o todo, porque tem uma coisa imutável na gente também, podemos ficar com a escolha de nos olharmos no espelho e talvez, até mesmo sem ele, simplesmente nos sentirmos bem com o que os olhos vêem. Poder parecer estranho para os outros, um tanto mais velho do que novo, mais tatuado e menos limpo, mas isso tem a ver com individualidades, mas precisamos respeitar como pluralidade.


sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Atenção ... uma deficiência ?


Gostaria muito de  conseguir lembrar em casa, de apagar as luzes que deixo acesas, o mesmo número de vezes que consigo apagar as luzes que as pessoas deixam acesas aqui no trabalho. O que será que acontece com essa cabeça pisciana em casa ? 




quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Esses dias ...


Perguntei por que ele estava quieto esses dias, ele me respondeu que só estava quieto, que estava sentindo que precisava ficar mais sozinho, e que estava sentindo um pouco isso, uma leve solidão, mesmo com as pessoas ao redor, e que isso sempre o levava a pensar, que de uma certa forma, acabaremos como viemos, sozinhos. Mas que não era uma solidão ruim, nem trazia um ranço ou uma tristeza muito grandes com ela, mesmo porque a solidão, segundo ele, nunca o assustou, e se fazia necessária, e que ela, a solidão, estava ausente graças aos amigos, o momento parecia mais uma constatação, de talvez a necessidade de mudanças em situações que ele vinha vivendo há muito, e que mesmo com o passar do tempo, continuavam na mesma, coisas talvez, do tempo, que é mestre em fazer mudar tudo, até o que se acha que não muda, sabe, aquelas mudançazinhas imperceptíveis no dia a dia, mas que em um determinado momento, quando as alterações já estão maiores, nos damos conta. Me disse que às vezes, a falta de perspectiva, o deixava meio pensativo e sem vontade de interagir, avaliando, mas, que como eu sabia, era coisa passageira, logo ele respiraria fundo e o velho bom humor retornaria, mesmo porque, ele acha, e acredita, que a vida tem que ser mais de alegria, do que de tristeza, e tem sido assim, ele garante, e que essas alternâncias são saudáveis, apesar da tristeza ter seu papel importantíssimo nela. Na alegria, a gente pensa mais raso, ele me disse, quando a gente está assim, a gente vai mais fundo na gente mesmo, questiona, as decisões e as escolhas, e torce, para estar no caminho certo. Ele disse que a gente tem que valorizar esses momentos, que são bem importantes e que paradoxalmente, são os momentos que as pessoas menos querem viver hoje em dia. 

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Pedrada.


Uma vez eu disse que o que vale é falar. Falar o que se está pensando ou incomodando, mesmo que isso seja a maior besteira do mundo, porque falando o que está incomodando, sempre há a chance do diálogo e do esclarecimento da dúvida, pois a gente tem dúvidas e também as vezes, ou, a cabeça da gente cria duvidas. Parece legal, né ? Mas até tudo se esclarecer de fato, o caminho pode ser bem turbulento. Mas ainda acho que vale falar, mesmo eu achando que tentar ser sempre uma pessoa melhor, que se importa, que se preocupa com o que está rolando à sua volta, que tenta argumentar no lugar de ignorar, é sempre um caminho de pedras. 


segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Situações e situações.


Geralmente somos julgados por sermos sensíveis à injustiças. A vida fica mais fácil, quando se ignora situações que não gostamos de vivenciar, ou o que nos incomoda de alguma forma. Lidar com o suposto incômodo (pois muitas vezes ele não o é, pode ser apenas o que achamos),  é o que pode expor o nosso lado mais humano. Como digo algumas vezes: "difícil é ficar, ir embora é muito fácil." Há situações em que devemos ignorar, mas há outras, que dar a devida importância, é imprescindível.

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Mudanças.


Ouço muito dizer que mudar é sempre bom, que dá uma mexida nas coisas, que te tira da zona de conforto, blá ... blá ... blá ...  
Mudar é mudar, oras, pode ser muito bom, como pode ser muito ruim também.
Siga seu instinto, sempre ! Ele não costuma falhar.