sexta-feira, 22 de julho de 2016

Uma questão de fazer questão.



Não adianta, a gente pode até ter uma simpatia por algumas pessoas e por algum tempo tentar uma proximidade, achando que aquilo vai resultar numa amizade, e pode mesmo, mas pode não virar nada também. Cada vez mais me convenço, que quando for para acontecer, a coisa acontece sem que se tenha que pensar muito, sem articular proximidades e encontros e convites, nada disso, a coisa flui naturalmente, assim como pode fluir também um distanciamento. Num primeiro momento a gente pode até achar uma coisa, que com o tempo, vai se mostrando diferente do que realmente é, quem nunca achou aquela pessoa super legal, ou chata pra caramba, e foi vendo que não era nada daquilo depois?  Falando em redes sociais, uma vez eu disse, porque já aconteceu mais de uma vez comigo, que se você quer destruir sua expectativa a respeito de uma pessoa, se torne amigo dela em redes sociais. Claro que não é uma regra e o contrário, claro que acontece. Mas em alguns casos, a diferença é tão grande, essa coisa de vida virtual/vida real, uma grande encenação. 
Mas isso tudo também é um processo natural, claro que a medida que se vai conhecendo melhor as pessoas, se cria maior afinidade ou não. Mas não sei, as pessoas me parecem complexas nesses tempos, fazer amigos parece que ficou um pouco mais complicado, talvez seja essa individualização das pessoas, sempre tenho uma certa sensação de que falta simplicidade à elas, uma impressão que todo mundo é muito hoje, muito em muitos sentidos que não só pessoas, tem que se ter uma lista enorme de adjetivos atrelados à sua pessoa, pra se ser pessoa.
Isso pra dizer, que o que importa mesmo é gente que faz questão da gente. Amizade, assim como amor, são palavras que tem um outro sentido nesses tempos, um tanto quanto banal, tanto que nunca se esteve tão só, em meio a tanta gente, ou tão cercacado de pessoas conectadas real ou virtualmente, e tão sozinho. Basta se meter numa encrenca ou precisar de ajuda de fato e humana pra ver quanto sobra perto. Enfim, amigo, é coisa pouca mesmo, um número pequeno que fica por perto, e as vezes nem isso, fica longe, mas tá lá, uma questão geográfica. Então não se preocupe com aquela pessoa que você tenta se aproximar e não rola, ou aquele seu amigo que está se distanciando cada vez mais, não adianta uma forçação. São  poucas pessoas, essas que como disse, que fazem questão, que importam. 






2 comentários:

  1. Tenho percebido que muitas amizades que eu valorizava demais "não eram bem assim..." Alguns relacionamentos virtuais até fazem mais sesentido hoje que esses que eu julgava superiores.Amadurecer me ajudou a perder menos tempo com falsa reciprocidade. Soou amargo isso né? Hahaha mas de verdade é só constatação.Abraço Marcos!

    ResponderExcluir
  2. Marcos é pura sabedoria. Amizades são bem assim mesmo.

    Beijão

    ResponderExcluir