terça-feira, 24 de maio de 2016

Apostas.


Ainda continuo na minha tese que a gente sabe muito pouco sobre quase tudo que acontece no meio político. Até na esfera particular, não podemos ter certeza de muita coisa que acontece ou pode acontecer à nossa volta. Analisando friamente,  tenho a impressão de que não podemos afirmar com 100% de certeza o que vai resultar de nossas próprias ações, sempre é um ato de coragem, um desafio, por menor que ele seja, e a gente tem que bancar o que vier depois. Esse meu raciocínio está apenas considerando à nós mesmos e nossas proprias ações e opiniões, ou seja, nossa responsabilidade. Imagine um cenário de conflitos entre certezas sobre verdades e mentiras, erros e acertos, culpados e inocentes, relacionadas à ações de terceiros, pessoas distantes, que nem conhecemos, mas que  de uma maneira ou de outra, as vezes indiretamente, escolhemos, que influenciam no nosso dia-a-dia, e que sabemos ser completamente influenciáveis e corruptíveis. Dá para colocar a mão no fogo por algumas dessas pessoas mesmo ? De verdade ? A maioria espectadora quer a mesma coisa, de uma certa forma um bem comum, e essa mesma mesma coisa os divide, o que parece muitas vezes não é, e o contrário também acontece. É como se fosse (ainda!), uma guerra de torcidas que vergonhosamente acontece muito em nosso País do futebol (#sqn!), talvez seja essa nossa vibe violenta que esquente o sangue e mexa com os ânimos do povo,  a ponto de haver comemorações de um lado, quando acontece uma nova revelação criminosa, que desqualifica o oponente. Parece que esse é o ponto feliz, desqualificar o outro, como quem diz: - Viu como eu estava certo? Juro que ainda não consigo entender direito isso, uma coisa ruim que acontece e é comemorada, vibrada, como uma pequena vitória. E ai eu fico me perguntando, será mesmo que essas pessoas, que vivem desclassificando, desqualificando, distribuindo palavrões, totalmente fechadas a um outro tipo de opinião, as vezes, fatos,  que tem uma fé cega em um suposto lado correto, querem mesmo a mesma coisa boa para todos ? Até onde vai o umbigo, o prazer em estar certo num palpite numa briga besta, onde quem são os mais lesados são os espectadores que vivem em guerra, enquanto os ratos comungam? A briga é boa, mas é em prol de uma vida melhor, independente de partidos ou ideologias, às quais reafirmo, a gente sabe muito pouco. Era para todos estarmos do mesmo lado, de olho em tudo e desqualificando o que realmente merece. Mas confesso que tudo isso tem um lado interessante. Eu nunca me informei tanto a respeito de como funcionam as coisas, os fatos nunca foram tão expostos, e as pessoas nunca tiveram suas verdadeiras intenções tão explicitadas. Quanto mais se vê, se lê, mais se nota que nessa luta não há mesmo heróis, e a gente está aqui, esquecidos.






Um comentário:

  1. O tema é espinhoso....
    O que permeia toda sua escrita é um pequeno tratado sobre a desconfiança....
    Sabemos realmente o que acontece?
    Podemos realmente prever o que acontecerá baseados em falsas informações ( ou mentiras )?
    Como saber a verdade se o que nos cerca está cercado de mentiras?
    Saberemos distinguir o que é verdade ou o que é mentira?
    Estamos com a sensação de que todos estão escondendo, blefando em suas apostas.
    Como saber quais as cartas que os outros jogadores possuem?
    E principalmente estamos aprendendo ( a duras penas ) a esconder nossas próprias cartas ( muitas vezes bem ruinzinhas ) para que ninguém saiba delas.
    Blefamos como os blefadores....
    Confiar?
    Nem pensar....
    Em quem eu confio?
    No outro?
    Loucura....
    Em mim?
    Quem sabe....
    Façam suas apostas. O casino está aberto!
    bjs

    ResponderExcluir